sábado, 31 de janeiro de 2009

Questão de intensidade

Sou muito intensa. Vivo as pequenas coisas como se fossem grandiosas, mares avassaladores que invadem e modificam minha praia. Observo os pequenos detalhes, os admiro, e os encaro como os mais importantes traços de uma obra.
A vida é feita de detalhes, e eu os vivo intensamente.
A vida é um bordado, e cada detalhe é um ponto. Acredite, eles fazem a diferença.

Vivo intensamente, é isso.
Não sou problemática, sou intensa.
Eu percebi o olhar vazio que você me deu, as mãos tão distantes que me tocaram, o carinho sem amor que senti em meu rosto.
Você não percebeu, mas eu senti, eu vivi.

Sou detalhista, obeservadora. Intensa.
Se você não é capaz de lidar com minha intensidade, trabalhar todos os detalhes, observar meus jeitos, teremos problemas. Pois eu consigo, e você não.
Sei todos os teus jeitos, tuas facetas, teu sorriso, teu jeito de me olhar, de me tocar, de sussurrar.
Sei bem o dia em que tudo isso foi feito com o amor. E notei o dia em que seu amor falhou comigo.
As nossas vidas estavam sendo costuradas juntas, mas enquanto eu bordava seus detalhes com dedicação, você não percebia os meus "pontos-cruz".
Dei o máximo de mim, mas também queria o máximo de você.
Você não soube. Sou intensa de mais pra você.

Se agora temos problemas, talvez a culpa seja sua, ou talvez minha.
É, talvez minha.


É uma pena que tudo termine assim, mas a amizade talvez não seja tão detalhista, tão exigente.
Assim será mais fácil pra você.


Desculpe, mas em questão de amor, sou intensa de mais pra você.



........


Mais selos, obrigada Flá Costa!








Repasso para:

Minha neologia

Contos da Mary

Pensamentos Encaixotados Numa Mente Adolescente

A vida que eu quero

Reb Torres

7 comentários:

  1. Intensa e sensível; fiquei meio sufocado ao ler o poema, porque eu também sou sensível.
    Ah, aquele mapa que ilustrou meu soneto, não foi eu quem fez; ele não é politicamente correto, o humor muitas vezes não é.
    Aquilo de dizer que o Rio Grande é terra de "bicha" não é coisa de paulista não. Acho que, na verdade, foi é um carioca quem fez aquele mapa. hehe

    ResponderExcluir
  2. Vc é uma das poucas pessoas que vivem d emaneira correta, viva os pequenos detalhes!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Não pensar na vida parece absurdo quando a gente é jovem. Mas, com o tempo, vamos nos calejando com as porradas da Vida; aí, nosso cérebro desenvolve tipo uma crosta virtual, e nós deixamos passar muita coisa...
    Acho que é o que os bundistas, digo, budistas chamam de Nirvana, ou revelação: a pessoa neste estado não tá nem aí, perde o medo, perde os apetites e a cupidez, desapega-se enfim da matéria. Estaria pronta pra entrar no Céu cristão, se os budistas acreditassem nisso. Mas entra sim...

    forte abraço
    Marcos

    ResponderExcluir
  4. É que depois de 1922 a poesia ficou sem rumo, surgiu também o conceito de prosa-poética, que é o caso do texto Para Viver Um Grande Amor, do Vinicius de Moraes.
    Essa tua prosa em particular, por ser mesmo intensa, é prosa-poética.
    Mas eu sou a favor também da poesia clássica.

    ResponderExcluir
  5. Achei muito lindo tudo o que você escreveu. De verdade. Primeiro, queria agradecer pela indicação dos selos, vou postar daqui a uns minutos. E em segundo, queria dizer que a intensidade pode nos levar às perigosas escalas do '8 ou 80', mas é também através dela que vivemos plenamente. Às vezes, temos uma personalidade tão intensa a ponto de acharmos que podemos suprir a não-intensidade de quem está ao nosso redor, inclusive das pessoas que amamos. Mas vem momentos em que precisamos pensar, e refletir se não seria melhor encontrar uma sintonia tão intensa e vibrante quando a que é de merecimento viver. Admiro seu modo de encarar os detalhes. Assim é o certo, não deixe que te digam o contrário. bj

    ResponderExcluir
  6. Que lindo seu texto! Muito mesmo!
    Cada vez que venho aqui gosto mais =)


    E obrigadíssima pelos selos viu! Adorei! Vou postá-los agora.

    Bjo procê.

    ResponderExcluir