domingo, 25 de janeiro de 2009

Cena de filme

Ela ainda lembra.

Chovia. Era madrugada. Os dois caminhavam pela rua. Ele coloca seu casaco sobre ela para protegê-la da chuva. Caminham em silêncio, respiram, respingam, pressentem. Parecia que o mundo havia parado, nada mais lhes interessava do que aquele momento, presenciado pela chuva e pelo silêncio. Os dois se fitam, sabem que a vida havia lhes proporcionado um momento digno de filme. Em meio ao frio da chuva, se sentem aquecidos. Não sabem o que falar, mas isso não era preciso, os olhos falavam por eles, se comunicavam, aguardavam o momento de serem fechados. Mas o momento não demorou.No tempo normal, o ato deve ter demorado uma pequena fração de segundos. No tempo deles, ali, o ato deve ter demorado uma eternidade, eternidade essa que não queria acabar, um sonho do qual ninguém quer acordar. Um abraço, um carinho, o beijo. A menina sente o gosto da chuva, o gosto de um sonho, envolvido por um silêncio mágico.A chuva sela, então, a magia que os invadiu e de mãos dadas os dois seguem seu caminho, envolvidos por sensações novas, envolventes, silenciosas.

Mal sabia o menino que ele havia despertado nela milhões de pensamentos e sentimentos confusos, já enterrados por ela. Mas a noite, a chuva, o vento e o silêncio... sim, esses sabiam. E ela também. Sabiam que o coração da menina não poderia ser entregue para aquele rapaz, porque ele já pertencia a outra pessoa.

11 comentários:

  1. ah se fosse assim na vida real.. =/
    Beijoos =*

    ResponderExcluir
  2. nossa, muito liindo *-*
    jah vivi uma cenqa de filme também...
    mas não tão linda como a sua *-*
    beeijo

    ResponderExcluir
  3. Oiee, primeira vez aqui. Adorei o texto!
    É verídico? Ou ficção?
    Parabéns!

    beijoooos;*

    ResponderExcluir
  4. É..., às vezes parece que é a vida que imita a arte, e não o contrário, que seria normal.
    Ah, mas olha: Quando a menina estiver morando sozinha na outra cidade, ela não deve cair na onda de beber bebida alcoólica; envelhece a pele, e também os órgãos internos, além de obviamente com o tempo ir debilitando irreversivelmente o cérebro.
    Passe esse aviso para a menina, viu?

    abraço
    Marcos

    ResponderExcluir
  5. nossa que lindo esse texto :'] você escreve super bem, parabéns! adorei o blog
    beijones:*

    ResponderExcluir
  6. Oooi! Adorei o blog e principalmente o post. É ficção, de algum livro ou é fato? me responde lá. Vou acompanhar! beijos

    ResponderExcluir
  7. muito obrigada por acompanhar meu blog! ;D

    adorei sua postagem!

    É ficção, de algum livro ou é fato? me responde lá.[2]

    sentimentos confuso é muito ruim! :S

    ResponderExcluir
  8. muito obrigada por acompanhar meu blog! ;D [2]

    Vou acompanhar o seu, com certeza! Você escreve muito, muito bem, parabéns!
    Beeijos:**

    ResponderExcluir
  9. Lindo o texto! Até deu uma balançadinha nesse meu coração de gengibre =)

    Obrigada pelo comentário. E por ter adicionado o blog aqui. o/
    E é claro que o seu será adicionado na minha listinha também. =)

    Bjo e boa semana.

    ResponderExcluir
  10. Tu é romantica e realista, haha
    bom texto, de verdade!

    e sobre o meu blog tua persepção sobre o post foi boa, é mais ou menos sobre isso que fala, talvez gostamos do 2º gosto, mas achamos que fica tudo por conta do 'lado doce'.
    Eu quis ser breve aqui!

    ResponderExcluir